sábado, 28 de novembro de 2015

Análise: JUSTICEIRO VOL.3 (Panini Comics)

Esta edição do Volume 3 do Justiceiro trás nos 180 páginas com os números 11 ao 16 e uma edição do Bullseye: Perfect Game com os números 1 e 2. Esta decisão da Panini em incluir esta edição do Mercenário é estranha, pois não conta com nenhuma aparição do Justiceiro ou algo que seja relevante para o personagem (Justiceiro).

Este 3º volume marca o fim do arco principal de Greg Rucka, faltando a mini série "Zona De Guerra" para ser revista no volume 4, também por Greg Rucka para fechar a sua história.

Após o Efeito Omega revisto no Vol. 2, este Vol.3 marca o assalto final ao Câmbio com excelentes cenas de acção e pormenores deliciosos de organização de combate entre Rachel e Frank.
 
Temos também um acréscimo substancial de drama entre os personagens secundários, Greg Rucka explora em pormenor o que se passa  na cabeça de Rachel e também a sua falta de experiência e  capacidade para seguir as pisadas de Frank, ou melhor, ser tão boa como ele naquilo que faz, eliminar criminosos e manter o mesmo registo psicológico, sem quebras.
 
Vemos Frank como tutor e com uma quebra psicológica de Rachel, podemos ver o confronto físico entre os dois. Excelente diálogo entre os personagens. Provavelmente o volume que Frank mais falou.

Rucka não se esqueceu de Bolt e Clemmons, ambos os personagens são bem "descodificados" para o leitor.

O final deste arco é um tanto surpreendente, mas aceitável para o que aí vem no vol.4.

Este volume foi brindado com a arte de Marco Chechetto e Mirko Colak. São artes bastante diferentes uma da outra, mas não se perdeu o ambiente "negro" por todo o volume.

Só faltou a Panini ter inserido nesta colecção o one-shot da história Spider-Island - I Love New York com o Justiceiro... Uma história muito simples, mas que descreve o Justiceiro na perfeição, também escrita por Greg Rucka.



Classificação Geral: 8 / 10








Comente com o Facebook:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente